fbpx

Cinco tecnologias que mudaram o mundo em últimos dez anos

Cinco tecnologias que mudaram o mundo em últimos dez anos

5 Mudanças nos últimos 10 anos
  1. Assistentes virtuais

Até menos de dez anos atrás, controlar dispositivos eletrônicos por meio de comandos de voz era impensável para a maioria das pessoas. O lançamento e a popularização dos assistentes virtuais, como a Siri, em 2011, a Cortana, em 2014, e o Google Assistente, em 2016, trouxe consigo novas possibilidades de uso de aparelhos, ainda pouco comuns até então.

Agendar reuniões e eventos, reproduzir a playlist preferida ou simplesmente programar o alarme são algumas das inúmeras possiblidades de interação oferecidas pelos assistentes virtuais. A IA é acionado por meio de comandos de voz, permitindo comunicação direta com os respectivos sistemas operacionais sem precisar usar as mãos ou olhar para a tela. Atualmente, o sistema é comum em computadores e celulares.

Além disso, os sistemas de controle por voz podem ser configurados para funcionar em vários idiomas e atender às preferências de diferentes usuários, como é o caso da Alexa, que pode reconhecer até dez vozes e armazenar suas preferências de música e agenda telefônica, oferecendo uma experiência personalizada de uso da tecnologia.

  1. Smart homes

Além de celulares e tablets, os assistentes virtuais também desempenham papel decisivo na integração de aparelhos para a smart home. O conceito de casa inteligente, ou casa conectada, envolve o uso da tecnologia para integrar eletrodomésticos inteligentes, fechaduras, lâmpadas, chuveiros, entre outros dispositivos via internet e com controle à distância.

Embora ofereça conforto, segurança e maior eficiência energética, uma casa conectada ainda tem custos elevados atualmente. Os preços, porém, estão em baixa. Já é possível, por exemplo, comprar caixas de som smart de R$ 229, como a Amazon Echo Dot, ou por R$ 553, caso da Apple HomePod Mini. Já os aspiradores robôs, cujas vendas dispararam no Brasil em 2020, surgem por menos de R$ 500 no país. O mesmo vale para acessórios como tomadas smart, que podem sair por cerca de R$ 100. Algumas fabricantes, como a Positivo, inclusive vendem kits para smart home a partir de R$ 309.

  1. Reconhecimento facial

O reconhecimento facial aprende os traços únicos de uma pessoa para identificá-la de forma precisa e segura, a ponto de não haver confusão entre usuários. Seu uso pode ser mais conhecido para o desbloqueio de smartphones, como Face ID da Apple, mas as aplicações vão além dessa utilização.

Vale mencionar o reconhecimento biométrico recém implantado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que permite a identificação de eleitores a partir dos traços do rosto. A inovação também é utilizada por instituições bancárias e fintechs na hora de validar o acesso ao aplicativo e liberar transações com menor perigo de fraudes e crimes cibernéticos.

Além disso, a revolução promovida pelo reconhecimento facial ganhou espaço internacional na segurança pública de vários países. Um levantamento feito pela Surfshark, empresa que desenvolve ferramentas de proteção de privacidade na internet, informa que 98 países atualmente usam tecnologias de reconhecimento facial em algum tipo de vigilância pública.

  1. Redes sociais e mensageiros

As redes sociais causaram um grande impacto na forma de comunicação e interação entre as pessoas, especialmente após a popularização de plataformas como Facebook, Twitter e Instagram. Atualmente, esse tipo de serviço reúne bilhões de usuários no mundo inteiro, a ponto das empresas responsáveis se tornarem algumas das mais valiosas do mercado.

O tamanho do Facebook também impactou nos principais rivais que surgiram depois. Foi o caso do Instagram, que surgiu há 10 anos com a proposta de oferecer um espaço para o compartilhamento de fotos e vídeos. Desde que aplicativo foi comprado pela empresa de Mark Zuckerberg em 2012, a rede social se tornou rapidamente uma plataforma que reúne mais de 800 milhões de usuários ativos por mês. Hoje, suas funções já vão além da troca de mensagens e mídia, integrando também uma loja virtual.

Os mensageiros também evoluíram nos últimos anos. O destaque é o WhatsApp, o primeiro a decolar no segmento e ainda o principal app dessa categoria no Brasil. Fundado em 2009, o serviço cresceu principalmente desde 2014, quando foi adquirido pelo Facebook, e já chega aos 2 bilhões de usuários. Assim como o Instagram, a solução busca se diversificar para além da função de chat. A principal aposta para os próximos anos foca na área financeira, por meio do Whatsapp Pay.

  1. Streaming de vídeo e música

Os serviços de streaming de vídeo e música se tornaram a principal forma de consumo de mídias e importante fonte de retorno financeiro à indústria do entretenimento. Lançado em 2008, o Spotify cresceu na esteira do sucesso do iTunes e se tornou uma das maiores plataformas de conteúdo de músicas e podcasts mundiais. Hábitos como comprar CDs ou, mais recentemente, o download de músicas e discos favoritos, foram substituídos pela reprodução online, com um catálogo de milhões de faixas sempre à disposição.

Compartilhar este post